2# EM VIANA

QUARTA FEIRA  21 SETEMBRO 2016






À fronteira, entre Valença e Tuy. Hoje saímos da cidade de Viana do Castelo e vamos descobrir o que o distrito tem de melhor com sotaque espanhol – cidades, vilas, cantos e recantos que têm mesmo de conhecer a partir do artigo de hoje. Uma manhã sem demoras, um pequeno-almoço caprichado e um segundo dia à espera; aliás, uma quarta-feira que abre o segundo artigo desta série. Acompanham-me?


VALENÇA
Ou Valença do Minho, diz a tradição. Uma das cidades que esteve no nosso roteiro desde início e aquela que mais curiosidade tinha de visitar – talvez por ser tão próxima de Espanha, confesso. Aliás, é por ser uma cidade raiana portuguesa que a influência espanhola se nota tanto em cada esquina, rua e ruela, afinal, estamos a uma ponte de distância do nosso país vizinho. Sigam o artigo até ao fim para descobrir o que está do lado de lá. 






Entretanto, deste lado, que é como quem diz, na cidade de Valença. Esta divide-se em duas zonas distintas, a cidade propriamente dita aliada à vida citadina, ao stress diário e à modernidade característica do século XXI; e a Fortaleza, o ex-libris de Valença onde o tempo parou – é assim que se vive a cidade dentro das muralhas, como antigamente.
















DENTRO DAS MURALHAS
Chegámos a Valença pouco depois das dez da manhã e a agitação já se fazia sentir tanto nos estacionamentos como na entrada para a Fortaleza, turistas – nós inclusive – e muitas excursões pintavam a vida daquela manhã, daquela cidade que tanto tinha para contar. E contou.































































Existe vida dentro das muralhas, uma vida que só quem lá está percebe e sente – como se de uma cidade dentro da cidade se tratasse. Um património rico em cultura e muita história, foi ali que nós, portugueses, abraçámos – termo demasiado irónico – a guerra com os espanhóis ou que vimos as tropas francesas a apoderarem-se do nosso território. Porém, Portugal fez história, e em cada caminho percebemos que conseguimos deixar marca, uma marca que ainda hoje persiste – e insiste.















Não só se vive o passado dentro das muralhas, afinal, os vários comércios locais dão ênfase à beleza que cada rua transmite, os vários conceitos gastronómicos também salpicam a história – esta deliciosa. Aliás, como em tantos monumentos ou locais históricos o passado alia-se ao presente, sem que este o substitua e, confesso, que é das coisas que mais gosto de visualizar nestas cidades. O antigo. 

















E se a cidade de Valença está nos vossos roteiros, não percam a hora de almoço dentro das muralhas; há de tudo um pouco desde os pratos típicos portugueses aos mais sofisticados – mas todos deliciosos! A nossa sugestão recaí no restaurante O Limoeiro – foi a esplanada e a imensa paisagem que nos fez sentar e assentar.





















TUY, ESPAÑA
Passámos a ponte – estávamos em território espanhol. Tui – em galego – é um pequeno grande município, o tal que faz fronteira entre Portugal e Galiza. Tem o nosso Minho como conselheiro, ali ao lado, nas águas calmas e azuis – a nossa calma, o nosso azul. A visita não demorou muito mais que uma hora e meia, mas do pouco que vimos aqueceu-nos a alma. 
































Seria por volta das quatro da tarde e não encontrámos muitas pessoas na rua, o local estava calmo e sereno e deu para apreciar um pouco da vida espanhola – que se assemelha muito com Valença, entre um português e um espanholito. A arquitetura estava muito bem cuidada e trabalhada, assim como em Valença, confesso. Muito verde e paisagens de cortar a respiração.

















Diferenças? É curioso como uma ponte consegue alterar um pensamento, uma cultura ou uma história. Tal como referi, Tuy assemelha-se muito a Valença, porém, há distinções que são de caras. As igrejas, por exemplo. Ricas e abastadas – como em Portugal – mas diferentes, um diferente que capta logo à atenção.

Algo que também me chamou à atenção foi as várias esplanadas e os vários cafés personalizados – tal como gostamos, sabem? Uma coffee shop à direita, uma gelataria com pinta à esquerda. De se perder a cabeça e de se querer voltar.

O dia terminou na piscina do Hotel do Parque, redemo-nos ao cansaço e ao sol de final de tarde quente que ainda se sentia em pleno agosto. Esperava-nos um terceiro dia cheio de coisas boas.. 

F o l l o w  m e : facebook | instagram | bloglovin | zomato

Sem comentários:

Enviar um comentário